Casa de Saúde de Muriaé realizou no cristo Redentor a comemoração ao Dia de Combate ao AVC 

 

A Casa de Saúde Santa Lúcia de Muriaé realizou no Cristo Redentor de Muriaé, um evento em comemoração ao Dia de Combate ao AVC.

 

Ivete Pillo, médica e coordenadora do centro de AVC, explicou um pouco sobre o AVC e disse que esta data do evento se tornou um grande dia para a cidade de Muriaé e região, pois a equipe estava comemorando o dia mundial do AVC e o objetivo da comemoração não é só lembrar que essa doença existe, é trabalhar para prevenção da população e dos tratamentos disponíveis.

 

O prefeito de Muriaé José Braz, esteve presente no evento em comemoração ao Dia de Combate ao AVC junto com a equipe da casa de saúde 

 

Patrícia Santos Costa Campos, gerente administrativa e gerente de qualidade da Casa de Saúde e Franciele Januário da Silva, enfermeira emergencista na Casa de Saúde Santa Lúcia.
Ambulância da CSSL estava exposta no evento para urgência e emergência 

 

A Equipe da urgência e emergência com toda sua equipe de trabalho, devidamente uniformizados.
Os profissionais estavam espalhados em tendas para falar sobre saúde. Tinha tendas de prevenção e tratamento do AVC; tenda da equipe de Obesidade; equipe de enfermagem fazendo aferição de pressão arterial e glicemia; fisioterapeutas incentivando as atividades físicas, nutricionista

 

Muita brincadeira para a criançada, além de algodão doce, pipoca, pinturas e DJ.

 

O evento pôde contar também com uma novidade de iluminação e projeções especiais

 

O Cristo Redentor de Muriaé, ficou iluminado de azul representando a cor de combate ao AVC

 

SOMOS A: Casa de Saúde Santa Lúcia de Muriaé

 

Foi realizado uma linda homenagem, contando um pouco sobre a história da Casa de Saúde Santa Lúcia de Muriaé

 

A Casa de Saúde Santa Lúcia abraça a comunidade muriaeense

A Casa de Saúde Santa Lúcia de Muriaé realizou no Cristo Redentor de Muriaé, um evento em comemoração ao Dia de Combate ao AVC. O evento aconteceu nesta sexta feira (29), a partir das 16 horas e teve a participação da equipe da Casa de Saúde, vários setores da saúde participaram, como médicos, enfermeiros, técnicos etc. Os profissionais estavam espalhados em tendas para falar sobre saúde. Tinha tendas de prevenção e tratamento do AVC; tenda da equipe de Obesidade; equipe de enfermagem fazendo aferição de pressão arterial e glicemia; fisioterapeutas incentivando as atividades físicas, nutricionista e muita brincadeira para a criançada, além de algodão doce, pipoca e DJ. A ambulância da CSSL estava exposta no evento para urgência e emergência com toda sua equipe de trabalho, devidamente uniformizados. O evento pôde contar também com uma novidade de iluminação e projeções especiais, acompanhada por um grande público no Cristo Redentor de Muriaé, que ficou iluminado de azul, representando a cor de combate ao AVC e foi feita uma linda homenagem, contando um pouco sobre a história da Casa de Saúde Santa Lúcia e mensagens para a comunidade, bem como destacando o Dia Mundial de Combate ao AVC.   

Patrícia Santos Costa Campos, gerente administrativa e gerente de qualidade da Casa de Saúde, ressaltou que o evento é comemorado no dia mundial do combate ao AVC e disse que a casa de saúde é considerada uma referência na prevenção aos casos de AVC. “Recentemente, a Casa de Saúde se credenciou como referência na prevenção e no atendimento aos casos de AVC, então resolvemos unir essas pessoas e mostrar para a sociedade de Muriaé que estamos preocupados não só em atender os pacientes com AVC, mas também conscientizar a população a respeito da prevenção da doença e da rapidez que os primeiros sintomas precisam ser tratados. O AVC é uma doença tempo-dependente, quanto mais rápido o paciente chega no hospital, maior é a capacidade dele se reabilitar e voltar a viver normalmente, quanto mais pessoas souberem e buscarem isso, mais vidas serão preservadas. A Casa de Saúde é um hospital que está fazendo 50 anos e vem passando por uma série de inovações. Esse ano inauguramos vários setores que não existiam até então, temos tratamentos de alta complexidade, cirurgias cardíacas, hemodinâmica, quimioterapia, nós oferecemos a população uma atenção diferenciada, uma humanização pelo trabalho em equipe e pela tecnologia. Os pacientes de covid tiveram acesso às tecnologias mais avançadas do mercado, temos ECMO, cateter de alto fluxo, Prisma, que é uma máquina de hemodiálise contínua, todas são inovações muito recentes que estamos trazendo para nossa cidade e é com muito carinho que a Casa de Saúde oferece esses tratamentos para população. A Casa de Saúde agradece a toda população de Muriaé pelo reconhecimento, pelo apoio durante esses anos e prometemos continuar nos aperfeiçoando cada dia para desenvolvermos um trabalho ainda melhor e oferecer tudo que tivermos de ponta e humano possível para todo mundo”, explicou. 

Franciele Januário da Silva, enfermeira emergencista na Casa de Saúde Santa Lúcia, disse que é um privilégio muito grande de trabalhar com qualidade, seriedade e humanização, e que trabalha com uma equipe bem capacitada, equipamentos de ponta, muita tecnologia para o melhor atendimento ao paciente. “Nós trabalhamos com uma equipe de diarista e plantonista, na escala de diarista nós temos dois profissionais e em cada plantão temos mais dois trabalhando 24 horas. Nossa assistência é mais voltada para Muriaé, mas atendemos também a região. Hoje contamos com uma ambulância, a UTI móvel, com intuito de atender esses pacientes distantes, fazemos também transferência inter-hospitalar, buscamos pacientes estáveis ou pacientes em casos mais graves, se solicitado pela família nós fazemos essa transferência que ocorre com a ambulância totalmente equipada, com um profissional médico que nos acompanha, fisioterapeuta para pacientes entubados ou com dificuldades de respiração que dependem de oxigênio, temos também o técnico de enfermagem, além do motorista que é muito bem capacitado para trabalhar nas estradas. Dentro do veículo temos respirador de transporte, cilindros de oxigênio, bomba de medicação, monitor multiparâmetro para que o paciente seja monitorado como se estivesse dentro da UTI, tudo isso para trazer o paciente de forma mais rápida e segura”, disse. 

Ivete Pillo, médica e coordenadora do centro de AVC, explicou um pouco sobre o AVC e disse que esta data do evento se tornou um grande dia para a cidade de Muriaé e região, pois a equipe estava comemorando o dia mundial do AVC e o objetivo da comemoração não é só lembrar que essa doença existe, é trabalhar para prevenção da população e dos tratamentos disponíveis. “Não queremos que ninguém seja acometido por essa doença. A estatística diz hoje que a cada grupo de 4 pessoas, 1 terá um AVC ao longo da vida, eu não quero ser uma vítima do AVC, então para tal eu preciso manter o meu peso adequado, fazer exercícios físicos constantemente, controlar a pressão arterial, controlar o diabetes e melhorar minha alimentação para evitar o colesterol elevado”. 

Ivete Pillo, explicou também que o AVC isquêmico é o entupimento de alguma artéria do cérebro e que é possível reduzir 90% desses acidentes com as medidas corretas. “Existem as modificadas e as não modificadas, essas consistem na idade, etnia, sexo e entre outras. Quero acrescentar que a população deve ficar de olho nos exames periódicos, buscar ajuda profissional e principalmente ficar alerta aos sinais e sintomas do AVC, que são: início súbito da perda de força em alguma parte do corpo, boca torta, tonteira súbita, perda de visão bilateral ou unilateral, temos também uma dor de cabeça absurda que o paciente relata ser a maior dor de cabeça já sentida, buscar imediatamente o atendimento. O SAMU são letrinhas que nos lembram dos sinais e sintomas do AVC, S de sorrir, pois se estiver com a boca torta pode ser um AVC, o A do abraço, porque uma mão pode ir e a outra não ou o paciente pode não conseguir abraçar, o M de musicalidade, se a pessoa não conseguir repetir ou falar uma frase, e o U de urgência, para procurar um médico imediatamente”, explicou. 

Ana Maria Teixeira Gallo Rocha, médica-cirurgiã do aparelho digestivo e endoscopista da Casa de Saúde, ressaltou que o Acidente Vascular Cerebral, apesar de ser uma condição grave, tem tratamento se diagnosticada precocemente, porém ninguém tem um médico ou um profissional da saúde 24 horas ao seu dispor, então é preciso que a população saiba identificar precocemente sinais de AVC e possam assim procurar um serviço de saúde adequado e receber o tratamento necessário. “Eu acho que esse tipo de evento precisa fazer parte da educação básica em escolas, assim como as crianças têm informação sobre matemática e português, elas precisam ter esse aprendizado, pois crianças são as que naturalizam mais as informações, ou seja, talvez uma criança que receba essa informação de forma natural e contínua na escola, possa ajudar um pai ou um avô que apresente sintomas de AVC em casa”, finalizou. 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.